quarta-feira, 16 de março de 2011

UM POR TODOS E TODOS POR UM, E DEUS POR NÓS!

Estamos vivendo dias em que cada vez mais estamos evidenciando a frase: “Cada um por si, e Deus por todos”. Quando deveríamos viver, ou pelo menos dizer: “Um por todos e todos por um”.
Esta última tem sido algo paradoxal em uma sociedade ultra-capitalista, a sociedade do ter, comprar, possuir. A mídia tem nos envolvido de tal forma, que hoje a TV de 29 polegadas já é coisa do passado. E o que dizer dos celulares? Quem não tem mais de um em casa, com todos os recursos tecnológicos possíveis.
Seria a mídia a grande culpada dos problemas atuais? De maneira nenhuma, ela simplesmente transmite o que está no coração do homem, ou seja, “A boca fala do que está cheio o coração”. E se o coração do homem tem se corrompido, é claro que o que ele tem para passar é corrupção. Logo o modo de vida das sociedades hoje, nada tem a ver com a sociedade idealizada por Cristo. Os valores do nosso século se perderam bem embaixo do nosso nariz, e mesmo assim, ainda não estamos conseguindo resgatá-los.
A mídia como voz do coração do homem, tem contribuído para que tenhamos um modo de vida escravizante. Ou seja, trabalhamos de 8 a 12 horas por dia; terceirizamos nossos filhos em creches e babas; pagamos vitalícias parcelas; não conhecemos nossos vizinhos; não temos tempo para nossa família; e se não estivermos cansados no domingo, um tempinho para Deus. Tudo isso a troco de que? A troco do ter, comprar, possuir! E essa mentalidade de que temos que nos atualizar junto com a tecnologia, tem nos feito escravos do sistema moderno, e o resultado tem sido avassalador.
Assim, não estamos mais conseguindo enxergar o nosso próximo, nem no sentido bíblico, nem no sentido geográfico. As palavras amor e humildade cristã estão entrando em extinção, pois o que se vê é, “Cada um por si, e Deus por todos”. Estamos em um estágio pior do que o do “servo inútil”, pois ainda ele fazia suas obrigações. E nós? Nós temos sido reacionários e convenientes a muitas coisas, estamos semelhantes ao jovem rico, que ao ser tocado na ferida, entristeceu-se muito.
Mas, alguém poderia perguntar: Não há no nosso século as “campanhas solidárias”, a mídia também não tem se empenhado para ajudar o próximo? Sim, mas sempre estas ajudas carregam consigo interesses particulares de políticos, ou de algum esquema de corrupção, pois até mesmo na desgraça alheia pessoas tem tirado proveito, a exemplo das enchentes de Santa Catarina e do nordeste brasileiro, onde doações foram vendidas e desviadas.
Mas, calma, calma. Existe sim, um contexto qual esbocei acima, mas não somos niilistas, cremos sim, que ainda exista um remanescente fiel, que preza pelo próximo como a si mesmo, e são esses pingos d água nesse oceano da individualidade que tem feito à diferença no mundo em que vivemos. O sermão do monte não foi meras palavras, e sim, um divisor de águas em nossas vidas.
Através de Cristo, conseguimos olhar para nosso próximo com um amor, que de fato não vem de nós, mas do próprio Senhor, que nos ensina e nos impulsiona a lutar pela vida, pela humanidade com compaixão, sem interesse próprio, visando somente engrandecer o criador e não a criatura. Se cremos que somos imagem e semelhança do altíssimo, devemos amar suas criaturas, mesmo que elas não tenham nosso ideal político ou religioso, mesmo que não freqüentem nossas igrejas, mesmo que sejam benquistos ou marginais, negros ou brancos, o amor de Deus é incondicional a eles, logo devemos amá-los da mesma forma.
Jesus nos ensina à máxima: “fazer o bem, sem olhar a quem”. Sabemos que não mudaremos o mundo todo, e nem queremos somente um reino material, mas se seguirmos esse princípio baseado nos ensinamentos de Jesus, poderemos melhorar nosso convívio e do nosso próximo, demonstrando que somos verdadeiros Cristãos, não somente em palavras, mas em ações.
Se fazemos o bem, glória a Deus, se o mal, pecado. Toda propensão que temos para o bem, vem de Deus. Logo, se queremos buscar e cultivar o amor e uma vida cristã que evidência Cristo, não existe outro caminho a não ser seus ensinamentos e a seus pés. Ainda há tempo para resgatarmos os valores corrompidos pelo pecado e pela sociedade moderna.
Assim, poderemos dizer: “Um por todos e todos por um”, e Deus por nós.
Obrigado!

Artigos Relacionados

2 comentários:

  1. graça e paz pastor ,também acho que nos dias de hoje falta a união , e uma das coisas que mais separa o homem de seu semelhante é que chamamos de privacidade,que muitas pessoas tem por seu tesouro.ate mesmo nas igrejas já não prevalece o amor pelo próximo mas em si mesmo ! malaquias

    ResponderExcluir
  2. hoje em dia valemos pelo que temos, infelizmente vivemos em um mundo onde o Dinheiro fala mais alto...e nisso quase todos nos corrompemos sendo uns muito e outros poucos, mas estamos todos com pensamento de que dinheiro é uma coisa que nos mostra como estando bem ou não!!!

    ResponderExcluir