sábado, 16 de abril de 2011

O OUTRO: O MASSACRE INVISÍVEL


Não preciso nem comentar que o caso “Massacre do Realengo” foi, e ainda está sendo o assunto Top 10 da internet. A partir de seu desvario, esquizofrenia ou qualquer coisa que dê uma resposta, o “Atirador” entrou para a história a partir de um ato covarde, tirando a vida daqueles que nada tinham a ver com seus aborrecimentos e frustrações (se é que ele passou por isso mesmo).                            
Um detalhe me chamou atenção no dia do desastre. Fora da escola no momento de socorro, pais de alunos queriam invadir a escola para “punir” o culpado, subentende-se linchar, mas quando forçavam o cordão de isolamento, alguém gritou que o assassino também estava morto. Logo, esfriaram os ânimos e se preocuparam somente com a vida e resgate dos filhos. 
O que percebemos é que em um ato como este, a nossa idéia de justiça está intimamente ligada a idéia de barbárie, ou seja, a vontade dos pais e dos telespectadores eram também de matar o atirador com rigores maiores que o dele mesmo, para que o prejuízo fosse de igual para igual, cumprindo novamente a Lei de Talião que diz: “Olho por olho, e dente por dente”. 
Então, nosso senso de justiça está ligado ao grau da maldade, quanto mais, maior a barbárie. E mesmo que ele não houvesse se matado, se fosse morto pelo policial ou linchado pela população, ainda assim, não veríamos nisso nenhum mal, pois “quem com o ferro fere, com o mesmo será ferido”. Nesse sentido, Michel Foucault diria: Não disse a vocês que seria assim! 
Mas nós humanos e pecadores que somos só conseguimos enxergar esse tipo de desgraça, dessas que chegam com barulho e audiência. Mas estamos vivendo dias em que existe um massacre invisível, silencioso, que não é percebido pela maioria das pessoas. Talvez eu e você façamos parte deste massacre. Mas a pergunta que não quer calar é: a quem estamos massacrando? O outro. 
Se para o atirador o Outro eram os adolescentes a quem matou, para nós o outro é quem queremos suprimir ou sufocar mesmo sem perceber, é aquele que gera estranhamento e mal-estar. E segundo Sartre: “O inferno são os outros”. 
Massacramos o outro quando discriminamos por cor, raça ou religião; massacramos quando nos sentimos prepotentes e superiores; massacramos quando traímos a confiança de um amigo, ou quando brincamos com o sentimento de alguém; massacramos quando traímos a namorada(o) ou esposa(o), e nos desculpamos com alguma mentira teatral; massacramos quando enchemos a cara de cachaça ou droga e ferimos ou matamos alguém de acidente; massacramos quando contribuímos para a calúnia, infâmia e mentira; massacramos quando humilhamos alguém por causa de suas idéias e ideologias; massacramos, massacramos... 
A diferença ou semelhança do massacre do realengo e de nós, é que aquele chamou muita atenção, e o nosso massacre é invisível e silencioso. Não podemos falar ou cobrar justiça, quando não praticamos a mesma. 
Valorize a vida, e não mais massacre!

"Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua alma abomina: Olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, O coração que maquina pensamentos perversos, pés que se apressam a correr para o mal, A testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos. Filho meu, guarda o mandamento de teu pai, e não deixes a lei da tua mãe; Ata-os perpetuamente ao teu coração, e pendura-os ao teu pescoço. Quando caminhares, te guiará; quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo. Porque o mandamento é lâmpada, e a lei é luz; e as repreensões da correção são o caminho da vida." Provérbios 6.16-23

Deus nos abencoe, Obrigado!

Artigos Relacionados

4 comentários:

  1. muito bom o texto Jean...outro massacre "invisivel" é a violencia no transito ou mortes no transito. São 120 mortes no mínimo por dia, 3.600 por mês e 43.800 por ano e ninguém toma providencia, na maioria delas por imprudencia(falta de respeito ou educaçao)
    A verdade é que todos desejam justiça...e justiça é inferno...rsrsrs todos merecem o inferno mas, ninguém quer rsrsrs SOLA GRATIA

    ResponderExcluir
  2. Parabéns!! Gostei do texto. Prático. Verdadeiro. Acertou na mosca, rsrs!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu texto Jean.
    Você faz suas escolhas, e suas escolhas fazem você, depois nao tem mais como voltar atras porque sempre ficam marcas.

    ResponderExcluir
  4. parabéns Jean muito bom, nem tenho muitas
    palavras para elogiar vc, ficou nota 10.

    Deus abençoe.

    ResponderExcluir