quarta-feira, 6 de março de 2013

A NOIVA ILUDIDA!



Amigo, tudo bem? Sim, e você? Bem. Amigo, ficarei um tempo fora, e você sabe que estou por me casar, ou seja estou noivo, e aliás, estou apaixonado e amo minha noiva... Como confio em ti, creio que você poderá ajudar a cuidar da minha noiva enquanto eu estiver fora, pois, você sabe como ela é, ela é ingênua, simples, meiga e sem malícia nenhuma, sendo assim, você não terá dificuldades em me ajudar. Tudo bem? Posso confiar em você? Claro, cuidarei da sua noiva não só agora, mas também farei os preparativos do seu casamento, pois sei quanto ama sua noiva. Obrigado, sabia que poderia confiar em você, você é meu amigo do peito, “mora no meu coração e não paga aluguel” rs...
            O noivo foi fazer uma longa viagem e não deixou claro quanto tempo duraria, mas sabia que poderia viajar tranqüilo, pois sua noiva estava em boas mãos. O problema foi que este noivo começou a demorar na visão do seu amigo, e nisto, mais que seu amigo, sua noiva também estava muito ansiosa, e preocupada, pois não sabia quando seu noivo viria buscá-la, para então realizar o tão sonhado casamento.
          Neste intervalo de ansiedades e preocupações, começou a acontecer algumas coisas um tanto estranhas. O amigo do noivo começou a ficar por demais de perto da noiva, convidando-a para conversar, começou a elogiá-la, mas esses elogios não pareciam somente de amizade, mas que haviam alguma coisa a mais neles. Quando se reuniam o assunto era um só, o casamento da noiva. Davam risadas, imaginavam todos os detalhes, como seria linda a festa do casamento etc. Mas essa proximidade acabou rolando um “clima” por parte do amigo, e não era claro se a noiva correspondia as investidas do amigo do noivo, pois como o próprio noivo havia dito, “ela era sem malícia nenhuma”. O amigo do noivo começou a olhar a noiva com outros olhos, não mais olhos de amizade, mas olhos de interesses, e começou a achá-la bonita, atraente, cheirosa, e começou a falar-lhe ao ouvido, e o resultado: O amigo do noivo estava apaixonado pela noiva.
       E agora, que situação, que impasse! O amigo do noivo que havia recebido uma responsabilidade (cuidar da noiva e preparar seu casamento), agora estava interessado pela noiva. A essas alturas não importava mais a amizade, fidelidade e confiança, mas sim, a paixão que o amigo estava sentindo, e por isso ele agora começaria a preparar o terreno, e as investidas agora ficariam de fato sérias. Mas como fazer a noiva esquecer o casamento? (e diga-se de passagem, nem ela mesma sabia quando seria), e fazê-la apaixonar-se por mim, pensou o amigo. Talvez fazendo-lhe algumas promessas, ela poderá ceder a tentação.
O amigo não contou conversa, foi pra cima mesmo e começou a prometer o céu e a terra. Primeiramente disse a noiva que ela poderia ser muito próspera, e que ela não passaria por dificuldades financeiras, pois está escrito na palavra que “comeríamos o melhor desta terra”. Disse pra ela não temer, pois eles eram “filhos do Rei”, e filho de Rei tem que andar como príncipe. Ele disse que a ensinaria como “tomar posse da benção”, pois temos direitos diante do pai. Para multiplicar a benção financeira ela deveria semear, semear muito, pois quanto mais ela semeasse, mais seria a colheita que ela teria, pois Deus multiplica por 10 a semente dos seus filhos. Enfatizou que ela seria cabeça e não cauda, e que estaria sempre por cima, e nunca pra baixo. O amigo ainda disse que ela não precisaria se preocupar com a saúde, pois os “filhos de Deus” não podem ficar doentes, bastava ela “determinar” ou “ordenar” que as enfermidades fugiriam dela. O amigo ainda garantiu que se ela fizesse um “ato profético” sobre qualquer que fosse a situação, seria mudada segundo esse ato e palavra, e se ela tocasse o chofar então, (chifre de carneiro usado como corneta no Antigo Testamento), ai sim, o efeito se tornaria maior e mais rápido. O leitor deve estar pensando: ah mais só isso? Achei que era mais coisas? Não se engane, o amigo do noivo prometeu tanta coisa, mas tanta coisa, que até eu se fosse mulher, teria casado com o amigo do noivo, e a limitação é que, em umas poucas linhas como essas, não dariam para descrever tudo.
A noiva se preocupou por um momento, e indagou: eu não preciso me preparar para o casamento? Será que eu não preciso estudar um pouco, pra conhecer como é um casamento a luz da bíblia? O amigo disse: não, de jeito nenhum, “pois a letra mata, mas o espírito vivifica”. Você deve se preocupar somente com o Espírito, e no dia que te exigir alguma questão bíblica, o Espírito Santo vai te revelar. E olha, escuta meu conselho, disse o amigo, esse negócio de estudar Teologia deixa a pessoa fria, meio doida, entra nessa não.
A noiva agora estava confusa de uma vez, e não sabia mais como proceder, pois seu noivo não voltava para casar-se com ela, (no fundo ela tinha esperança), e agora o amigo do noivo mostrou um mundo ou realidade que de fato, mesmo que estanha, chamou a atenção dela. E agora, será que é verdade tudo o que meu amigo disse e prometeu, pensou a noiva. Será que compensa continuar esperando meu noivo?
Infelizmente caro leitor, não posso te contar ainda como foi o final desta história, pois ainda não aconteceu. Mas cabe a noiva esta decisão delicada...
“Qualquer semelhança com a realidade, é mera coincidência”...

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz a Igreja” Apocalipse 2.7

Obrigado!

Artigos Relacionados

Um comentário: